sexta-feira, 7 de abril de 2017

Humilhação desnecessária #2

Então, em continuação a este post, eu já não conseguia passar tempo de qualidade com o meu amigo. Senti que todos os nossos desabafos já não eram os mesmos. Senti que ele já não me contava certas coisas da sua vida, tanto que já nem fazia ideia das relações amorosas dele e que normalmente sabia de tudo. 

Dei por mim a ocultar certos eventos dele, porque também já não me sentia à vontade de lhe contar tudo como antes contava. E pior que tudo, sentia que todo este afastamento tinha sido culpa dos outros dois, mas ele é que era dono das suas decisões, portanto não podia atribuir as culpas aos outros, apesar de terem muita influência.


A certa altura, comecei a notar que ele olhava para mim como os outros dois, ou seja, a menina "penetra". Tentava falar com ele sobre a situação, engoli várias vezes o meu orgulho para falar com ele e eu via na cara dele que me estava a cagar na testa, revirava os olhos como quem não quer saber do que eu estou para ali a falar. Isso magoou-me mesmo muito! Não queria acreditar que o meu amigo que me apoiava, que me aconselhava, que estava sempre lá para os meus desabafos, de repente deixou de estar. De repente éramos apenas duas pessoas conhecidas que "se aturavam" um ao outro. 

Apesar disso tudo, a réstia de amizade que tínhamos ainda lá estava e eu gostava de acreditar que ainda lá estava. Apesar de estarmos afastados, eu continuava a preocupar-me com ele e gostava mesmo de acreditar que ele ainda se preocupava comigo.


Isto vai parecer muito estúpido, mas um dia eu reparei que um rapaz mesmo muito porreiro do meu curso dizia no Facebook que era gay. Vou chamar-lhe Hugo. Facilmente detectei que era uma brincadeira, mas e se não fosse? Qual é que era o problema? Não existia problema rigorosamente nenhum. 

Caí na patetice de comentar isto com o Tiago e o que eu disse foram precisamente estas palavras "Ontem, vi no Facebook do Hugo a dizer que era gay!", assim como eu vi logo que era uma brincadeira, pensei que ele também fosse detectar a brincadeira, mas a reacção foi mesmo a contrária. Ficou todo chocado e como que ofendido a dizer "O Hugo? Não é nada, impossível!". Eu comecei-me a rir, como que é uma brincadeira e ele continuou bué ofendido comigo, não sei bem porquê.


Isto passou-se. Agora não me lembro se foi no dia seguinte ou se foi mesmo nesse dia à tarde que estávamos todos enfiados numa sala, onde também se encontrava esse Hugo e de repente, ouvi o Tiago do outro lado da sala a falar bem alto "Estás a ver Emma? O Hugo não é nada gay!", eu se tivesse um buraco para me enfiar era um instante enquanto eu lá me enfiava. 

Reparei que ele estava a falar com o Hugo e com outros dois rapazes, mas não se ficou por aí. Eu estava de olhos tão esbugalhados a olhar para ele e ele com cara de parvo continuou a falar muito alto do outro lado da sala a dizer "Lembras-te de andares a espalhar por aí que o Hugo era gay? Afinal era mentira!". 


A espalhar? Ele acabou de dizer alto e em bom som para toda a gente ouvir que eu ando a espalhar boatos? Fiz um comentário em tom de brincadeira com um amigo meu e ele está a dizer que eu ando a espalhar boatos? Eu acho que fiquei em pleno estado de estátua. Estava em pé e acho que não me mexi do mesmo sítio durante uns 5 minutos:
  • Não fazia ideia se devia desatar a discutir com o Tiago por estar a dizer merda; 
  • Não sabia se devia ir direito ao Hugo a explicar-lhe toda a situação para não haver mal-entendidos e para o rapaz também não ficar magoado comigo por causa do Tiago estar a dizer merda; 
  • Nem sabia se devia sair da sala a correr por causa da humilhação que estava a sentir naquele momento por causa do Tiago estar a dizer merda. 

Eu tinha tanta coisa a correr no meu cérebro que não me conseguia decidir por nenhuma delas. Lentamente, fui-me aproximando do Tiago com cara de poucos amigos e reparei que os rapazes levaram aquilo numa boa. Não ficaram chocados de eu andar a "espalhar" fosse lá o que fosse e o Hugo até se ria sem problema nenhum a dizer que foi vítima de facejacking pelos amigos. Eu até aí já tinha chegado, só aquele atrasado de merda do Tiago é que não tinha chegado lá e ainda por cima foi perguntar ao rapaz se ele era gay, porque eu andava a "espalhar" por aí que o rapaz era gay. 

Eu sabia que a nossa amizade já não era a mesma coisa, mas era mesmo muito escusado pôr uma sala inteira a olhar para mim e a acusar-me de andar a "espalhar" coisas para depois as pessoas irem pensar que eu sou uma criadora de boatos.


Eu senti-me tão humilhada que nem fazem ideia. E vendo bem a história não foi nada de outro mundo e tive a sorte do Hugo ser mesmo porreiro e não levar a mal nada disto, mas imaginem que o rapaz ficava a olhar de lado para mim, porque eu andava a inventar "boatos" sobre ele?

Desde esse dia que deixei de falar com o Tiago. O bom dia e a boa noite diziam-se na mesma, mas cada um no seu canto. Não lhe ponho a vista em cima há uns 4 anos. Não faço ideia o que ele anda a fazer da vida, nem ele faz ideia o que se passa na minha. Nem sequer tenho curiosidade em visitar o Facebook dele para ver o que se passa com ele. Foi uma pessoa com quem cortei totalmente.

O que me deixa triste é que se algum dia passar por ele na rua, com toda a certeza que lhe vou dizer olá e vou gostar do ver, mas não vou querer saber de nada sobre ele. É triste como duas pessoas que já se deram tão bem, que partilharam tanto, que tantas risadas deram, passaram a meros conhecidos. 

7 comentários:

  1. É mesmo triste... uma amizade destruída por pequenos "nadas", ele em vez de ter crescido foi regredindo na faixa etária

    ResponderEliminar
  2. A vida dá imensas voltas e realmente é uma pena que algumas amizades simplesmente deixem de existir quase que sem motivo. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. A vida tem a sua forma impiedosa de fazer triagem sobre quem realmente vale a pena ao nosso lado.

    ResponderEliminar
  4. Muito triste. E triste foi como tudo se desenrolou, para além da grande mudança de comportamento.

    ResponderEliminar
  5. A vida encarrega-se de filtrar quem merece ficar na nossa vida!

    ResponderEliminar
  6. Fico triste que o finla da história tenha sido este!Mas a verdade é que ele não se portou bem, não só por essa questão do outro rapaz, como também ter-se desligado completamente devido às outras duas amizades que fez.
    Mas a vida é mesmo assim, uns saem outros entram ;)

    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar